sexta-feira, 12 de abril de 2013

O gari rebelde


Dias atrás, caminhando por um centro comercial perto de casa, e, bem no meio da multidão de pessoas apressadas para chegar aos seus trabalhos, alguns falando no celular e outros até comendo em pé o café da manhã andando, eu parei e fiquei ali parado observando aquele cotidiano que se apresentava.
Fui entrando em uma espécie de transe hipnótico e entre uma batida e outra do meu coração, todos os sons sumiram e as pessoas a minha volta ficaram imóveis como estátuas de concreto.
As cores se foram e tudo permaneceu em tons de cinza...
O cheiro acre do medo contido naquelas pessoas centradas em seus próprios problemas exalava forte.
Mortos vivos, seres dormentes e autômatos da própria realidade, sem brilho ou cor, uma cena triste.
Ao fundo e cada vez mais alto passei a escutar uma canção assobiada por alguém que se aproximava.
Não ouvia aquela música desde a minha infância, olhei ao redor para saber de onde vinha aquele som e vi um gari varredor que se destacava dos outros, pois era o único que se movia e tinha cor naquele cenário.
Seu macacão laranja era destaque e quando se aproximou senti um cheiro diferente dos demais, um odor cristalino e almiscarado.
-O que faz aqui e o que te torna diferente dos demais, perguntei-lhe;
-Não sei, que pergunta estranha a sua.
-Você não percebeu que só você está diferente neste cenário?
-Que cenário, aqui é só uma rua e eu a estou varrendo, fazendo o meu trabalho da melhor maneira possível, com licença que vou indo...; e continuou assobiando enquanto varria...
Percebi que o que o fazia diferente era justamente a presença dele nele mesmo, e o fato de, ser o único por ali que olhava para cima enquanto assobiava dava-lhe a capacidade de enxergar e respirar além dos demais.
Todos os outros estavam cabisbaixos, sentindo uma pena sem fim, de si mesmos.
Para efetuar uma mudança de estado físico e emocional, é preciso antes de qualquer coisa, a ousadia de querer mudar o estado atual.
Digo ousadia porque temos o hábito de nos apropriar da dor e não largá-la de forma alguma por puro medo de existir sem ela.
Damos todas as desculpas possíveis para continuar do mesmo jeito; culpando sempre o mundo externo.
O externo é um espelho do seu interno e se quer mudar vá para dentro vasculhar seus porões; acenda a luz que já existe dentro, ela não existe fora em lugar algum, só dentro.
A respiração é a porta de entrada; é seu contato mais íntimo e amoroso com você.
É impossível respirar fundo sem estar ereto e só esse simples fato já provocará mudanças profundas em seu estado físico e emocional.
Quando percebi a próxima batida de meu coração, o gari já há muito havia ido.
Gari rebelde ou herói?
Luz e respiração, Zé Reynaldo.