sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Desistindo


Está tudo dando errado, e, nada vai bem, essas dores no corpo me assolam, minha cabeça doe de tanta preocupação, meus olhos ardem como fogo em mais esta madrugada acordado sem saber para onde ir, sinto-me perdido e sozinho com meus pensamentos e tenho vontade de desistir de tudo, pois não vejo saída...
Sinto-me vítima de minhas escolhas erradas feitas no passado e que agora estouram bem na minha cara todos os dias e cada hora que passa, culpo-me mais por não ter sabido escolher diferente, mas também sinto dentro de meu peito um coração que pulsa me dizendo para ser menos agressivo comigo mesmo.
De onde vem esse estranho amor que sinto por mim?
E essa força que se aflora me trazendo essa dualidade de emoções, que hora me diz para desistir e outra me diz para perdoar-me e buscar novas escolhas?
Observação de mim mesmo é o que mais parece sensato neste turbilhão de emoções.
Destacando-se amorosamente de mim, começo e reparar que durante muitos e muitos anos representei um papel que me foi imposto pelo meu núcleo familiar, a sociedade em que vivo, os amigos que tive, o ensino que busquei e que agora começo a confrontar esses valores que me foi dado sem eu ter chance de dizer não com minha real e verdadeira natureza.
Sinto agora medo do que vou encontrar e saber sobre minhas sombras, quem de fato habita dentro de mim, porém começo a gostar da sensação de liberdade que estou sentindo, libertando-me desses valores que começo a achar que não são meus.
Posso parar de representar e trazer de volta quem de fato sou e sentir-me coerente outra vez.
Estranhamente observo que sinto paz, uma paz que não estou acostumado, uma alegria inunda meu corpo, mente e alma, tudo de uma vez.
Paro agora de sentir medo de ser feliz e assumir um amor pleno por quem eu sou.
E os outros? O que dirão quando ouvirem meu primeiro NÃO?
Acho engraçado imaginar a cara dos escravagistas que me circundam quando se derem conta de que mudei e que fiz as pazes comigo mesmo!
Quem me amar, vai achar ótimo e quem sempre me teve como um ser escravizado que vá buscar outro, não me importo mais porque, gente assim eu não quero mais do meu lado.
Para esses eu vou aprender a dizer um, grande e sonoro FODA-SE!
Ame-se, Zé Reynaldo

Nenhum comentário:

Postar um comentário