sexta-feira, 12 de abril de 2013

O gari rebelde


Dias atrás, caminhando por um centro comercial perto de casa, e, bem no meio da multidão de pessoas apressadas para chegar aos seus trabalhos, alguns falando no celular e outros até comendo em pé o café da manhã andando, eu parei e fiquei ali parado observando aquele cotidiano que se apresentava.
Fui entrando em uma espécie de transe hipnótico e entre uma batida e outra do meu coração, todos os sons sumiram e as pessoas a minha volta ficaram imóveis como estátuas de concreto.
As cores se foram e tudo permaneceu em tons de cinza...
O cheiro acre do medo contido naquelas pessoas centradas em seus próprios problemas exalava forte.
Mortos vivos, seres dormentes e autômatos da própria realidade, sem brilho ou cor, uma cena triste.
Ao fundo e cada vez mais alto passei a escutar uma canção assobiada por alguém que se aproximava.
Não ouvia aquela música desde a minha infância, olhei ao redor para saber de onde vinha aquele som e vi um gari varredor que se destacava dos outros, pois era o único que se movia e tinha cor naquele cenário.
Seu macacão laranja era destaque e quando se aproximou senti um cheiro diferente dos demais, um odor cristalino e almiscarado.
-O que faz aqui e o que te torna diferente dos demais, perguntei-lhe;
-Não sei, que pergunta estranha a sua.
-Você não percebeu que só você está diferente neste cenário?
-Que cenário, aqui é só uma rua e eu a estou varrendo, fazendo o meu trabalho da melhor maneira possível, com licença que vou indo...; e continuou assobiando enquanto varria...
Percebi que o que o fazia diferente era justamente a presença dele nele mesmo, e o fato de, ser o único por ali que olhava para cima enquanto assobiava dava-lhe a capacidade de enxergar e respirar além dos demais.
Todos os outros estavam cabisbaixos, sentindo uma pena sem fim, de si mesmos.
Para efetuar uma mudança de estado físico e emocional, é preciso antes de qualquer coisa, a ousadia de querer mudar o estado atual.
Digo ousadia porque temos o hábito de nos apropriar da dor e não largá-la de forma alguma por puro medo de existir sem ela.
Damos todas as desculpas possíveis para continuar do mesmo jeito; culpando sempre o mundo externo.
O externo é um espelho do seu interno e se quer mudar vá para dentro vasculhar seus porões; acenda a luz que já existe dentro, ela não existe fora em lugar algum, só dentro.
A respiração é a porta de entrada; é seu contato mais íntimo e amoroso com você.
É impossível respirar fundo sem estar ereto e só esse simples fato já provocará mudanças profundas em seu estado físico e emocional.
Quando percebi a próxima batida de meu coração, o gari já há muito havia ido.
Gari rebelde ou herói?
Luz e respiração, Zé Reynaldo.

sexta-feira, 15 de março de 2013

Repetições


Se você observar a vida que está tendo hoje, perceberá que é uma repetição do seu passado.
Em algum momento lá traz, você criou o teu momento atual.
Dor, prazer, amor, perdas, relacionamentos, sucesso, fracasso, tudo você criou, tudo, mas tudo mesmo.
É hora de deixar de lado a espera de um milagre, mudar suas atitudes e assumir a responsabilidade dos seus pensamentos.
Não é possível mudar o passado, mas é possível mudar a forma com que você se conduz pela vida.
Se você mudar um milímetro só em direção ao seu interior, todo seu presente se transformará.
No mito de Narciso, nos foi dito que ele se apaixonou pela própria imagem refletida no lago e se afogou quando se arremessou lago adentro.
Na verdade o que nos está sendo dito é que ele se apaixonou pelo mundo externo, o mundo da dependência, da ilusão, esquecendo-se de quem ele era.
Isso também significa que somos treinados para viver na culpa e medo, ficando cada vez mais dependente do exterior, afastados do nosso amor próprio.
Se no seu presente está acontecendo sempre ás mesmas coisas é porque você está focado só no que acontece fora de você.
Dê-se uma chance e observe-se por dentro, saiba onde residem suas culpas e perdoe-se por tudo o que você ainda se condena.
Permita-se ficar livre deste passado que você vem repetindo e crie o futuro que você passará a sonhar agora.
Sem sonho não haverá vida diferente para você, somente mais uma repetição do seu passado...
Muito sonho e luz, Zé Reynaldo.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Desistindo


Está tudo dando errado, e, nada vai bem, essas dores no corpo me assolam, minha cabeça doe de tanta preocupação, meus olhos ardem como fogo em mais esta madrugada acordado sem saber para onde ir, sinto-me perdido e sozinho com meus pensamentos e tenho vontade de desistir de tudo, pois não vejo saída...
Sinto-me vítima de minhas escolhas erradas feitas no passado e que agora estouram bem na minha cara todos os dias e cada hora que passa, culpo-me mais por não ter sabido escolher diferente, mas também sinto dentro de meu peito um coração que pulsa me dizendo para ser menos agressivo comigo mesmo.
De onde vem esse estranho amor que sinto por mim?
E essa força que se aflora me trazendo essa dualidade de emoções, que hora me diz para desistir e outra me diz para perdoar-me e buscar novas escolhas?
Observação de mim mesmo é o que mais parece sensato neste turbilhão de emoções.
Destacando-se amorosamente de mim, começo e reparar que durante muitos e muitos anos representei um papel que me foi imposto pelo meu núcleo familiar, a sociedade em que vivo, os amigos que tive, o ensino que busquei e que agora começo a confrontar esses valores que me foi dado sem eu ter chance de dizer não com minha real e verdadeira natureza.
Sinto agora medo do que vou encontrar e saber sobre minhas sombras, quem de fato habita dentro de mim, porém começo a gostar da sensação de liberdade que estou sentindo, libertando-me desses valores que começo a achar que não são meus.
Posso parar de representar e trazer de volta quem de fato sou e sentir-me coerente outra vez.
Estranhamente observo que sinto paz, uma paz que não estou acostumado, uma alegria inunda meu corpo, mente e alma, tudo de uma vez.
Paro agora de sentir medo de ser feliz e assumir um amor pleno por quem eu sou.
E os outros? O que dirão quando ouvirem meu primeiro NÃO?
Acho engraçado imaginar a cara dos escravagistas que me circundam quando se derem conta de que mudei e que fiz as pazes comigo mesmo!
Quem me amar, vai achar ótimo e quem sempre me teve como um ser escravizado que vá buscar outro, não me importo mais porque, gente assim eu não quero mais do meu lado.
Para esses eu vou aprender a dizer um, grande e sonoro FODA-SE!
Ame-se, Zé Reynaldo